Qual o propósito da vida?

Alguns pacientes que recebo no consultório questionam-se constantemente sobre o sentido da vida… O que fazer? Qual é este sentido? Será que existe mesmo?

Sentem-se vazios e solitários, como se a vida não tivesse um significado; para que viver se quando tudo isso acabar não ficará nada meu no mundo?

Este assunto também me intriga, confesso que pesquisei mais sobre ele, fui para a filosofia, artes, teologia, psicologia e achei diversos conceitos e reflexões a respeito, mas o que realmente trouxe uma luz para minhas próprias reflexões e dos meus pacientes, foi este vídeo que de uma maneira simples – atente-se que o simples que falo é devido a clareza, humildade, sensibilidade, sutileza e simplicidade – na qual Narayanan Krishnan, significa sua existência e fala sobre ela.

Acredito sim, que devemos a nossa maneira significar nossa existência, nosso destino é construído a cada movimento que fazemos. Cada sentimento que valorizamos e expomos para o mundo, é uma demonstração do significado que damos para nossa existência.

Já pensou em qual o seu propósito de vida?

Caso queira conhecer mais do trabalho do Narayanan Krishnan, neste site você o conhecerá melhor: http://www.akshayatrust.org

Anúncios

Não aos Rótulos e Estigmas

Vamos nos aceitar e aceitar nosso próximo, sem nos preocuparmos com o que parece ser, ou se está fora do que ditaram algum dia como “normal”.

Que tal, olharmos apenas para nossos sentimentos e tentarmos encarar de forma positiva a vida e as pessoas que nos cercam?

Com certeza temos muito que aprender com as pessoas que cruzam nossos caminhos, vamos nos permitir sermos o que quisermos ser. E nos adaptarmos ao como as pessoas são!

Mito da Caverna – Platão

O mito da caverna, é uma metáfora utilizada por Platão em A República (livro VII). A idéia dele era mostrar como poderíamos nos libertar da condição de escuridão e ignorância que nos mantém aprisionados.

Maurício de Souza, trouxe brilhantemente este mito para o quadrinho, vale a pena dar uma olhada!

Quantas vezes nos sentimos presos, enraizados a preconceitos, estagnados emocionalmente, ou até mesmo sem ação própria?

O mito da caverna pode nos remeter a responsabilidade que temos de buscar nossas verdades, o que faz sentido em nossa existência, e não, na do outro. Se não escolhermos os caminhos a serem percorridos por nós, outra pessoa o fará com base em suas verdades, não nas nossas próprias.

Ficamos muitas vezes esperando o próximo assumir a responsabilidade de tudo, ou até mesmo procuramos um terceiro para culpar por nossas vidas, sem ao menos tentarmos ver o diferente, buscar o que nos torna essenciais em nossa própria jornada.

Outro momento de reflexão sobre este mito temos, em A caverna, onde Saramago recobra o mito de Platão para discutir o capitalismo em uma sociedade em que as pessoas tornaram-se apenas profissões, sombras.

E sermos sombras nunca nos colocará como atores principais em nossas vidas, seremos eternos coadjuvantes de nós mesmos.

Em terapia, começamos a nos questionar, a buscar nossas vontades, verdades e questionarmos o mundo a nossa volta, como ele está constituído, se queremos mantê-lo assim, ou se queremos mudá-lo, dar uma nova cor e forma para ele.

É um processo muitas vezes angustiante, em que entramos profundamente em nossas crenças, educação, raízes familiares; mergulhamos em temas desconhecidos ou que muitas vezes queremos apagar sem mexermos. Mas, que quando conseguimos encontrar nossas verdades, é libertador!

Com apoio do psicólogo começamos a trilhar nossas escolhas e transformá-las em algo nosso, totalmente mutável pelo momento em que vivenciamos novas verdades.

Afinal, a verdade nunca é uma só, ela muda de acordo com o sentido que dou para ela, ela é algo sempre questionável. Questionemos então nossas escolhas, nossas vidas e deixemos de ser sombras do que falaram um dia para nós!