Significado Existencial

Diante de tantas buscas íntimas em responder sobre o significado da vida, encontrei nesta semana Tarthang Tulku, um lama tibetano. Foi um encontro casual, passando os olhos por muitos livros, em uma deliciosa tarde em uma livraria. Conhecê-lo, foi algo esclarecedor e revigorante para minhas reflexões, consegui de alguma forma iniciar em mim um caminho para a busca de um significado existencial, que com certeza fará parte de muitas conversas e reflexões no consultório!

Compartilho com vocês um trecho do livro “Gestos de Equilíbrio”, onde ele fala da importância de integrar mente e coração, ações e intuições, porque só assim “encontramos um significado genuíno em nossa vida”.

 “Se nossos corações estão abertos, toda a existência parece naturalmente bela e harmoniosa. Isto não é apenas mais uma fantasia – é possível ver ou sentir dessa maneira, e essa é a essência dos ensinamentos espirituais. O coração nos revela todos os conhecimentos. Por que o coração e não a mente? Porque o nosso ego controla a nossa cabeça, e os nossos corações são muito mais livres.

Quando os nossos corações estão abertos, nenhum problema é demasiado grande. Ainda quer percamos nossas posses e nossos amigos e fiquemos sós, sem ninguém para nos amparar ou para nos orientar, podemos encontrar sustentação em nossos sentimentos mais profundos, nosso silêncio interior. Utilizando nossos recursos interiores, podemos enfrentar com mais facilidade situações emocionais e intelectuais porque já não estamos envolvidos no drama que se desenrola à nossa volta.

Precisamos, portanto, encorajar nossos sentimentos calorosos e positivos. Esse calor não é uma emoção superficial ou sentimental – não é o tipo de emoção que leva ao desequilíbrio e cria frequentemente o “pânico” em lugar da calma. É uma autêntica abertura que sentimos como um calor profundo no centro do coração, que é o nosso santuário interior, o nosso próprio lar.

É no centro do coração que nossa natureza interior cresce até alcançar a plenitude. Depois que o centro do coração se abre, todos os bloqueios se dissolvem e um espírito ou intuição se difunde por todo o corpo, de modo que todo o nosso ser se põe a viver. A esse “espírito” dá-se, por vezes, o nome de essência da energia humana ou essência da verdade. Seja qual for o nome que se lhe dê, se não nos deixarmos impregnar por ele, o nosso corpo pode estar ativo, mas nosso coração permanecerá fechado. Somos estranhos a nós mesmos.

Quando nos tornamos capazes de integrar nossa mente com nosso coração e nossas ações com nossas intuições, encontramos um significado genuíno em nossa vida. Nossas dificuldades emocionais e nossos problemas diminuem automaticamente e descobrimos inspiração, insight, motivação e força”.

“Nunca é tarde demais para ser o que quiser ser”…

Segue o trecho final do filme O Curioso Caso de Benjamin Button, nele temos na voz de Benjamin (Brad Pitt), um trecho da carta deixada para sua filha Carolina…

Vale a pena a lembrança deste momento para que possamos nos (re)encontrar com nossa essência!

 

Qual o propósito da vida?

Alguns pacientes que recebo no consultório questionam-se constantemente sobre o sentido da vida… O que fazer? Qual é este sentido? Será que existe mesmo?

Sentem-se vazios e solitários, como se a vida não tivesse um significado; para que viver se quando tudo isso acabar não ficará nada meu no mundo?

Este assunto também me intriga, confesso que pesquisei mais sobre ele, fui para a filosofia, artes, teologia, psicologia e achei diversos conceitos e reflexões a respeito, mas o que realmente trouxe uma luz para minhas próprias reflexões e dos meus pacientes, foi este vídeo que de uma maneira simples – atente-se que o simples que falo é devido a clareza, humildade, sensibilidade, sutileza e simplicidade – na qual Narayanan Krishnan, significa sua existência e fala sobre ela.

Acredito sim, que devemos a nossa maneira significar nossa existência, nosso destino é construído a cada movimento que fazemos. Cada sentimento que valorizamos e expomos para o mundo, é uma demonstração do significado que damos para nossa existência.

Já pensou em qual o seu propósito de vida?

Caso queira conhecer mais do trabalho do Narayanan Krishnan, neste site você o conhecerá melhor: http://www.akshayatrust.org

Os 05 Estágios da Dor, Perda

Este vídeo representa de uma maneira simples algumas reações que temos, quando passamos por perdas, lutos, incomodos, dentre muitas outras situações ruins!

São cinco reações/estágios:

1. Negação

2. Raiva

3. Barganha

4. Depressão

5. Aceitação

Tudo bem passarmos por estes estágios, mas… o que fazemos depois?

Será que repetimos este ciclo muitas vezes, ou conseguimos percebê-lo e mudamos nossa reação antes? Ou ficamos presos em algum destes estágios constantemente e nem avançamos para os próximos? Continuar lendo

Seja como você é

“Seja como você é.

De maneira que possa ver quem és.

Quem és e como és.

Deixa por um momento o que deves fazer e descubra o que realmente fazes.

Arrisque um pouco, se puderes.

Sinta seus próprios sentimentos.

Diga suas próprias palavras.

Pense seus próprios pensamentos.

Seja seu próprio ser.

Descubra.

Deixe que o plano pra você surja de dentro de você.”

Fritz Perls

Quantas vezes em nossas vivências cotidianas, deixamos a vida nos levar e esquecemos de sermos quem realmente somos, ou até de buscarmos uma resposta que nos transforme em quem quisermos ser?

Já se perguntaram, o que quero para mim?

Quem eu realmente sou?

Acredito que este poema vale um momento de reflexão!

Mito da Caverna – Platão

O mito da caverna, é uma metáfora utilizada por Platão em A República (livro VII). A idéia dele era mostrar como poderíamos nos libertar da condição de escuridão e ignorância que nos mantém aprisionados.

Maurício de Souza, trouxe brilhantemente este mito para o quadrinho, vale a pena dar uma olhada!

Quantas vezes nos sentimos presos, enraizados a preconceitos, estagnados emocionalmente, ou até mesmo sem ação própria?

O mito da caverna pode nos remeter a responsabilidade que temos de buscar nossas verdades, o que faz sentido em nossa existência, e não, na do outro. Se não escolhermos os caminhos a serem percorridos por nós, outra pessoa o fará com base em suas verdades, não nas nossas próprias.

Ficamos muitas vezes esperando o próximo assumir a responsabilidade de tudo, ou até mesmo procuramos um terceiro para culpar por nossas vidas, sem ao menos tentarmos ver o diferente, buscar o que nos torna essenciais em nossa própria jornada.

Outro momento de reflexão sobre este mito temos, em A caverna, onde Saramago recobra o mito de Platão para discutir o capitalismo em uma sociedade em que as pessoas tornaram-se apenas profissões, sombras.

E sermos sombras nunca nos colocará como atores principais em nossas vidas, seremos eternos coadjuvantes de nós mesmos.

Em terapia, começamos a nos questionar, a buscar nossas vontades, verdades e questionarmos o mundo a nossa volta, como ele está constituído, se queremos mantê-lo assim, ou se queremos mudá-lo, dar uma nova cor e forma para ele.

É um processo muitas vezes angustiante, em que entramos profundamente em nossas crenças, educação, raízes familiares; mergulhamos em temas desconhecidos ou que muitas vezes queremos apagar sem mexermos. Mas, que quando conseguimos encontrar nossas verdades, é libertador!

Com apoio do psicólogo começamos a trilhar nossas escolhas e transformá-las em algo nosso, totalmente mutável pelo momento em que vivenciamos novas verdades.

Afinal, a verdade nunca é uma só, ela muda de acordo com o sentido que dou para ela, ela é algo sempre questionável. Questionemos então nossas escolhas, nossas vidas e deixemos de ser sombras do que falaram um dia para nós!