A Busca da Vida Perfeita

Cfelizada vez mais somos convidados a vivenciar uma vida perfeita, com cores, carros, casas, viagens, amigos, festas, parceiros,… E acabamos por esquecer de viver a plenitude do que temos em nossas vidas, almejamos sempre mais, porém não o mais que acrescenta para o que verdadeiramente queremos, mas o mais que é idealizado como a perfeição. E ao idealizarmos, esquecemos de olhar para a nossa realidade imperfeita, o que nos impede de vivermos profundamente quem somos e nossas relações.
Colocamos metas inalcançáveis em nós, nos nossos parceiros, profissões, filhos,… Deixamos de nos entregar aos momentos, vivendo cada um como único; escolhemos viver os momentos com a frustração do que nos falta, de que a grama do vizinho é mais verde que a nossa.
Precisamos viver o luto desta busca de perfeição idealizada, para podermos viver o amor verdadeiro, aquele que acolhe os defeitos, que é capaz de vislumbrar o perfeito no imperfeito.
É importante quebrarmos tabus sociais e culturais, que nos são incutidos desde a infância, onde somos compelidos a acreditar que só seremos amados se formos perfeitos, relacionar-se não tem nada a ver com perfeição, mas sim, com a inteireza de sermos nós mesmos e sermos humanos falíveis que buscam a evolução nos acertos e erros. Se buscarmos passar reto pelos erros, pela nossa falibilidade, estaremos sendo omissos conosco mesmo, com nossos filhos, com as pessoas a nossa falta! Que mal tem errar? O que podemos aprender com nossos erros?
Certa vez, li em algum lugar a seguinte reflexão: …”Podemos preferir o amor, a paz, a consciência limpa, mesmo que essa decisão aparentemente não favoreça ter o que tanto desejamos. Antes a imperfeição feliz à perfeição que se torna fonte de angústia”… (Autor Desconhecido).
Os momentos mágicos são simples e podem ser sentidos e vividos na maravilhosa imperfeição. Isso significa que podemos ser quem somos, buscar evoluirmos, estarmos presentes e sermos felizes, com leveza, verdade e autenticidade.

Anúncios

Egoísmo x Amor Próprio

amor proprioUltimamente tenho sido convidada a refletir sobre relações afetivas, quase que diariamente alguém conversa comigo sobre a dificuldade no olhar íntimo do limite entre o Eu e o Tu! Como colocar este limite? Em qual parte da relação, seja ela qual for, deixamos de lado nossa individualidade? Qual a diferença entre amor próprio e egoísmo? Será que existe uma diferença entre estes dois sentimentos?

Segundo Arthur Schopenhauer, em “A Arte de Insultar”: ...”O motor principal e fundamental no homem, bem como nos animais, é o egoísmo, ou seja, o impulso à existência e ao bem-estar”

Podemos refletir que talvez quando nos utilizamos de atitudes, sentimentos, palavras que nos realizem a um custo que só traga nosso bem-estar estamos agindo de forma egoísta! Porém, quando de alguma forma, nossas atitudes, palavras, sentimentos, demonstram um refrear em nós sobre a proximidade do outro, talvez isso possa ser amor próprio, e não, egoísmo!
Ao refletir com estas pessoas que trazem estas questões, buscamos resgatar esta diferença entre o Ser egoísta e o Ser amoroso. Talvez dizer não ao outro possa parecer egoísta, porém se é apenas por um respeito íntimo na busca de liberdade, de individualidade, estamos agindo de forma amorosa e respeitosa conosco.
Afinal, devemos lidar apenas com a nossa existência, o que já traz muita reflexão, ação e responsabilidade! Estar em relação não nos exime de sermos nós mesmos e agirmos de forma a buscar o respeito ao próximo a a nossa individualidade.
Será que conseguimos nos separar nas relações, assumindo as responsabilidades de nós mesmos? Trazendo ao outro uma relação limpa do egoísmo e de potencial liberdade?

Transbordar-se

O inesperado, o difícil e o desconfortável fazem parte da nossa existência, e viver assim faz parte de estar no mundo! Desde o nascimento, a vida nos convida a virarmos do avesso, a sentirmos intensamente, ela nos estimula a tentar novos começos, a nos ultrapassarmos e nos largarmos no desconhecido.

Estando no mundo, como vivenciamos o Amor?

Nosso primeiro grande amor começa com nós mesmos, ao lidarmos com nossos traumas, quedas, aprendizados, êxtases, alegrias…

Amar é aceitar o outro como ele é, mas só consigo genuinamente fazer isso, se intimamente me aceito. Neste sentido, encorajo pacientes a se levarem para passear, ir ao cinema, jantar, caminhar, se namorarem diariamente. Ao iniciar este olhar profundo sobre si, uma aceitação clara e sutil passa a fazer parte de quem é, como é.

Quando gastamos algum tempo com nossa existência, passamos a dar novos significados para o que já conhecemos e também a descobrir novas facetas em nós mesmos, dando menos importância para os gostos dos outros, diminuindo a probabilidade de me anular por uma aprovação alheia.

Aceitando o convite da vida, de intensamente vivenciar os turbilhões, as dores, os amores e cores, nos permitimos estar no mundo através de uma vivência de auto-amor.

E nesta vivência de auto-amor, me transformo no inteiro que transbordará em contato com o outro, e não na metade que precisa ser preenchida.

Crianças Ansiosas

Uma variável em nossa vivência temporal é a ansiedade, algo que nos tira do presente, nos faz viver o futuro, algo ainda não realizado, que não está pronto.

Tenho encontrado no consultório, em conversas com amigos que tem filhos e nos trabalhos voluntários com crianças que este tema é algo bem comum na infância.

A ansiedade é totalmente trazida por nosso tempo vivido, por nossa dificuldade de vivenciar o agora, é quando a projeção mental no futuro é mais forte do que no presente. A criança pode ter este comportamento aprendido dos adultos que a cercam, mas hoje há estudos que mostram que os genes também podem ter o seu papel nesse quadro. Uma pesquisa realizada por cientistas na Alemanha e nos Estados Unidos mostrou que pessoas com variações do gene que regula o neurotransmissor dopamina, o COMT, possuem mais chance de desenvolver distúrbios de ansiedade.

Mas a genética é apenas um dos diversos fatores que contribuem para a ansiedade. O ambiente, como o convívio em casa com a família, exerce uma função importante no comportamento da criança.

A criança ansiosa normalmente não se concentra no momento atual, vivenciando antecipadamente todos os seus sentimentos, sentindo muitas vezes fobias (medo de ficar sozinha, presa, pessoas, largar fraldas, chupetas), roendo unhas e cutículas, respirando e comendo rapidamente, podem ter náuseas, diarréias, vômitos, dificuldades de concentração.

O importante é que ao percebermos nossas crianças com alguns hábitos ansiosos, tentarmos revisitar nossas condutas, nossas atitudes podem causar ansiedade nelas, assim como ficar mostrando a elas o comportamento “ansioso” muitas vezes não ajuda, só agrava mais a ansiedade. Devemos avaliar se a ansiedade não está vinculada a alguma mudança repentina que a criança passou (escola, casa, separação dos pais), a perda de um ente querido, nascimento de um(a) irmaozinho(a).

Se a ansiedade não diminuir com a atenção e amor dos pais (ajudá-lo a se concentrar, criar momentos prazerosos), um profissional deve ser consultado, pois no futuro suas vivências podem ficar comprometidas pela ansiedade (fobias sociais, depressão, pânico).