Significado Existencial

Diante de tantas buscas íntimas em responder sobre o significado da vida, encontrei nesta semana Tarthang Tulku, um lama tibetano. Foi um encontro casual, passando os olhos por muitos livros, em uma deliciosa tarde em uma livraria. Conhecê-lo, foi algo esclarecedor e revigorante para minhas reflexões, consegui de alguma forma iniciar em mim um caminho para a busca de um significado existencial, que com certeza fará parte de muitas conversas e reflexões no consultório!

Compartilho com vocês um trecho do livro “Gestos de Equilíbrio”, onde ele fala da importância de integrar mente e coração, ações e intuições, porque só assim “encontramos um significado genuíno em nossa vida”.

 “Se nossos corações estão abertos, toda a existência parece naturalmente bela e harmoniosa. Isto não é apenas mais uma fantasia – é possível ver ou sentir dessa maneira, e essa é a essência dos ensinamentos espirituais. O coração nos revela todos os conhecimentos. Por que o coração e não a mente? Porque o nosso ego controla a nossa cabeça, e os nossos corações são muito mais livres.

Quando os nossos corações estão abertos, nenhum problema é demasiado grande. Ainda quer percamos nossas posses e nossos amigos e fiquemos sós, sem ninguém para nos amparar ou para nos orientar, podemos encontrar sustentação em nossos sentimentos mais profundos, nosso silêncio interior. Utilizando nossos recursos interiores, podemos enfrentar com mais facilidade situações emocionais e intelectuais porque já não estamos envolvidos no drama que se desenrola à nossa volta.

Precisamos, portanto, encorajar nossos sentimentos calorosos e positivos. Esse calor não é uma emoção superficial ou sentimental – não é o tipo de emoção que leva ao desequilíbrio e cria frequentemente o “pânico” em lugar da calma. É uma autêntica abertura que sentimos como um calor profundo no centro do coração, que é o nosso santuário interior, o nosso próprio lar.

É no centro do coração que nossa natureza interior cresce até alcançar a plenitude. Depois que o centro do coração se abre, todos os bloqueios se dissolvem e um espírito ou intuição se difunde por todo o corpo, de modo que todo o nosso ser se põe a viver. A esse “espírito” dá-se, por vezes, o nome de essência da energia humana ou essência da verdade. Seja qual for o nome que se lhe dê, se não nos deixarmos impregnar por ele, o nosso corpo pode estar ativo, mas nosso coração permanecerá fechado. Somos estranhos a nós mesmos.

Quando nos tornamos capazes de integrar nossa mente com nosso coração e nossas ações com nossas intuições, encontramos um significado genuíno em nossa vida. Nossas dificuldades emocionais e nossos problemas diminuem automaticamente e descobrimos inspiração, insight, motivação e força”.

Anúncios

É tempo de travessia

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.     Fernando Pessoa

Faz algum tempo que ando pensando nesta citação de Fernando Pessoa, ela traz muito do caminhar de meus pacientes, e porque não ousar mais e dizer que o meu próprio caminhar.

Estamos em constantes transformações, neste minuto algo em nós muda e continuará mudando, então porque nos apegamos tanto as coisas, sejam elas pessoas, roupas, acessórios, imóveis, carros, idéias, pensamentos, crenças. Porque vivemos muitas vezes de maneira tão superficial, os temas que nos distanciam de nossa essência, de quem realmente somos.

Ficamos constantemente vivendo pelo outro, seja por uma idéia, um desejo, uma necessidade de pertencer, e esquecemos do que queremos, sentimos, pensamos. O encontro com nossa essência nem sempre é algo fácil, mas é primordial para nos conhecermos melhor, trocarmos o que não queremos mais, o que não nos cabe mais, o que não faz (ou nunca fez) sentido algum para nossas escolhas de vida, para sermos quem quisermos e pudermos ser.

Devemos olhar para nossos sentimentos, nossas escolhas e dar novos significados a elas, trocando quando não faz mais sentido, buscando assim dar novo sentido a nossa vida, e atravessar o caminho assumindo as escolhas que fazemos.

No consultório me deparo muitas vezes com pessoas que perderam o sentido de suas próprias vidas, que deixaram que os outros (pais, conjugês, chefes, amigos) escolhessem seus caminhos, não por preguiça ou por falta de conhecimento, mas sim, por tentarem se ajustar ao “mundo”, por tentarem pertencer a algo, quando na verdade, devemos escolher e assumir o que nos faz ser realmente o que desejamos ser, o que nos completa, para não corrermos o risco de vivermos a margem de nós mesmos, o que pode gerar muitos males físicos e emocionais (depressão, pânico).

Há no processo terapêutico um forte encontro do paciente com ele mesmo, onde consegue sentir, perceber e nomear o que não faz mais sentido em sua vida, por isso muitas vezes o vazio, a angustia, o choro, a melancolia, são tão presentes em nossos encontros. Mas há depois, a alegria deste reencontro consigo mesmo, o resignificar de suas escolhas, a liberdade de poder escolher e ser responsável por tudo o que quer e sente para si, e assumir sozinho os novos rumos de sua própria travessia, “com roupas novas”.

Esta é a mágica da nossa travessia interior, não deixem de fazê-la, é difícil, mas nos encanta e liberta!

Crianças Ansiosas

Uma variável em nossa vivência temporal é a ansiedade, algo que nos tira do presente, nos faz viver o futuro, algo ainda não realizado, que não está pronto.

Tenho encontrado no consultório, em conversas com amigos que tem filhos e nos trabalhos voluntários com crianças que este tema é algo bem comum na infância.

A ansiedade é totalmente trazida por nosso tempo vivido, por nossa dificuldade de vivenciar o agora, é quando a projeção mental no futuro é mais forte do que no presente. A criança pode ter este comportamento aprendido dos adultos que a cercam, mas hoje há estudos que mostram que os genes também podem ter o seu papel nesse quadro. Uma pesquisa realizada por cientistas na Alemanha e nos Estados Unidos mostrou que pessoas com variações do gene que regula o neurotransmissor dopamina, o COMT, possuem mais chance de desenvolver distúrbios de ansiedade.

Mas a genética é apenas um dos diversos fatores que contribuem para a ansiedade. O ambiente, como o convívio em casa com a família, exerce uma função importante no comportamento da criança.

A criança ansiosa normalmente não se concentra no momento atual, vivenciando antecipadamente todos os seus sentimentos, sentindo muitas vezes fobias (medo de ficar sozinha, presa, pessoas, largar fraldas, chupetas), roendo unhas e cutículas, respirando e comendo rapidamente, podem ter náuseas, diarréias, vômitos, dificuldades de concentração.

O importante é que ao percebermos nossas crianças com alguns hábitos ansiosos, tentarmos revisitar nossas condutas, nossas atitudes podem causar ansiedade nelas, assim como ficar mostrando a elas o comportamento “ansioso” muitas vezes não ajuda, só agrava mais a ansiedade. Devemos avaliar se a ansiedade não está vinculada a alguma mudança repentina que a criança passou (escola, casa, separação dos pais), a perda de um ente querido, nascimento de um(a) irmaozinho(a).

Se a ansiedade não diminuir com a atenção e amor dos pais (ajudá-lo a se concentrar, criar momentos prazerosos), um profissional deve ser consultado, pois no futuro suas vivências podem ficar comprometidas pela ansiedade (fobias sociais, depressão, pânico).