Temos dias em que não queremos levantar da cama, dormimos mal porque ficamos pensando na vida e nas dificuldades de viver, ou queremos ficar quietos sem conversar com ninguém ou fazer nada.

Faz parte de nossa natureza nos isolarmos em alguns momentos para refletirmos ou descansarmos; mas e quando estes momentos são mais constantes do que os que estamos de bem com a vida, com disposição para o que vier?

Talvez nesses momentos vivenciemos a palavra mais usada neste século, ou melhor, conhecida como o mal do século, a depressão!

Ela é vivenciada na totalidade do ser humano, no corpo, na mente, nos sentimentos. Não devemos distanciá-la de crises e vivências. Temos que ir fundo dentro dela e compreendermos qual é a nossa depressão, por que estou assim.

Os sintomas da depressão são muito variados, indo desde as sensações de tristeza, passando pelos pensamentos negativos até as alterações da sensação corporal como dores.

São comuns os relatos em que a pessoa sente que sua vida está passando sem que ela faça nada, como se estivesse sentada na areia da praia vendo sua vida passar como um navio no mar, distante.

O mais importante é saber como a pessoa se sente, como ela continua organizando a sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados pessoais com higiene, alimentação, vestuário).

Além de medicamentos, a pessoa com depressão precisa de um acompanhamento terapêutico, no qual será percebida como além do rótulo depressão, mas como uma pessoa que de alguma forma está desajustada em seu tempo e que necessita falar e perceber seus sentimentos.

Orientação aos Pais

Ótimo texto escrito pela jornalista Eliane Brum na revista Época:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

Do que chega no consultório, percebo o seguinte…

Alguns pais agem puramente com falta de interesse, algo como, se fizer tudo e der tudo ele não me atrapalha, dá para a Dra, ver se não é melhor ele tomar algum remédio para ficar mais tranquilo, calmo, ele é muito irriquieto, não para um minuto, faço tudo, dou tudo e ele não me deixa em paz!

Mas, existem os que se esforçam muito para dar aos filhos o que não tiveram na infância, adolescência e esquecem dos valores maorais, do amor.

E tem aqueles que tentam equilibrar a balança, e que se dão super bem nesta relação de que Amar muitas vezes é frustrar, principalmente quando o assunto são nossos filhos!

Busco muitas vezes na Orientação de Pais, trazer referências da educação que os pais tiveram, de relações criadas com base no Amor, respeito, educação. A vida é uma constante construção nossa, e nossos pais fazem parte deste início de construção, eles nos dão os alicerces!

Realmente muitas vezes precisamos frustrar nossos filhos para que eles aprendam a viver, faz parte do crescimento de qualquer pessoa a frustração, claro que não de uma maneira exagerada.